26 de dez de 2011

22 de dez de 2011

Griselda

Griselda, além de ser o nome da protagonista da novela das nove da Globo, "Fina Estampa", também é um personagem do folclore europeu que ficou registrado para a eternidade em um dos contos de "Decameron", obra literário do italiano Giovanni Boccaccio escrita no século XIV. Posteriormente, o texto serviu de base para a elaboração do libreto da ópera composta por Vivaldi no século XVIII que também leva o mesmo nome da arqui-rival da vilã Teresa Cristina.

 

21 de dez de 2011

Valentino Garavani Virtual Museum

O estilista Valentino lançou um museu virtual que reúne todas suas criações. Em 3D, o acervo tem mais de 300 vestidos. Além dos modelitos, há mais de 5 mil fotos, desenhos e documentos, e cerca de 100 vídeos. O mais bacana da ideia é que tudo isso está disponível em um aplicativo que não é exclusivo para iPad, como costuma ser muita coisa legal que é lançada por aí. Basta ter um computador, que não precisa ser necessariamente aquele da maçãzinha, para acessar o conteúdo.

Vá lá: http://www.valentino-garavani-archives.org/

19 de dez de 2011

A lista das 11 melhores listas de 2011

Listas já são uma instituição da cultura pop. No fim de ano, com a necessidade de se fazer retrospectivas, isso fica ainda mais claro, visto que listas são excelentes para esquematizar e resumir assuntos, tudo o que precisamos na hora de olhar os acontecimentos pelo retrovisor. Uma vez que elas têm pipocado aos montes nos últimos dias, resolvi fazer aqui uma metalista, reunindo algumas das mais interessantes que vi até então. Voilá:

Dez razões que provam que o mundo já acabou em 2011 (Nina Lemos/Revista TPM)
Porque a espécie humana é muito mais autodestrutiva que qualquer apocalipse. Perdeu, 2012!

Os dez principais shows que você não viu no Brasil em 2011 (Rolling Stone Brasil)
Porque 365 dias ainda é pouco pra tanta atração gringa

A única lista dos 50 melhores álbuns do ano que realmente interessa ler (Vice Portugal)
Não se engane pelo título. Assim como tudo que a Vice faz, essa lista sai do lugar comum. De forma bem irônica

Top do Ano - Os 10 assuntos que marcaram 2011 (Mauricio Stycer/UOL)
Retrospectiva fast food da política, economia e outros assuntos sérios do ano que acaba

Zeitgeist 2011 (Google)
Os termos mais buscados neste ano no Google, o grande banco de memória desses tempos 2.0

O melhor e o pior da web em 2011 (YouPix)
Um retrato dos memes e bafos da esfera virtual

As palavras e frases mais ditas em 2011 (Global Language Monitor)
O topo da lista é "occupy". O segundo lugar é "déficit". #2011tenso

Gafes, mentiras e promessas - as piores declarações do futebol brasileiro em 2011 (Terra TV)
Porque este blog também curte bater uma bolinha

Gírias e termos que marcaram 2011 (YouPix)
Pohan!

Os piores ataques de DJ de 2011 (Revista Trip)
Essas celebridades tipo Z não desistem

Top Tudo de 2011 (Time)
Dos piores momentos da moda às grandes descobertas da medicina, está tudo no mexidão da Time

14 de dez de 2011

Mudança de hábito

Os meninos da Del Rey, de azul, nos bastidores da gravação do especial de fim de ano

Quem disse que especial de fim de ano do Roberto Carlos é sempre a mesma coisa? Bom, neste ano, na Globo, vai ser mesmo no esquema flashback, uma vez que a emissora vai reprisar o show do rei em Jerusalém. Mas a MTV tratou de mudar a ordem das coisas. No próximo domingo, às 23h, pra quem ainda não sabe, a banda Del Rey, especialista há quase dez anos em fazer versões para as músicas de Roberto e Erasmo, vai ser a responsável pelo especial inédito deste fim de ano.

Wanderléa e Fafã de Belém foram as convidadas da apresentação, que terminou com todos os VJs da casa fazendo em coro em "Quero Que Vá Tudo Pro Inferno", ao contrário dos shows do rei, que sempre são finalizados com "Jesus Cristo". Não disse que era diferente?

12 de dez de 2011

Artistas unidos pelo Mega Upload

Poderia ser apenas uma campanha pra se autopromover e fazer frente à concorrência, mas foi uma bela sacada: em um vídeo produzido e publicado no Mega Upload, artistas cantam a "Mega Upload Song". Ou seja, gente que faz parte da indústria que tanto implica com o livre compartilhamento de arquivos na internet canta a favor dessa prática. E é gente muito grande: a lista de participantes inclui Will.i.am (que parece ter sido o compositor da música, que lembra bem seu estilo), Alicia Keys, Snoop Dogg e P Diddy, dentre outros.

A música em questão traz versos que tratam da maravilha que é o site de compartilhamento de arquivos intercalados com depoimentos nos quais alguns desses mesmos artistas falam sobre o uso que fazem do site.

8 de dez de 2011

8 de dezembro: Tom Jobim

Hoje marca o dia da morte do John, mas é bom lembrar que num mesmo 8 de dezembro, só que de 1994, foi-se embora outro nome da música: Tom Jobim.

6 de dez de 2011

Encircopédia*

De "acrobata" a "ventríloquo", o passado e o presente das artes circenses no Brasil ganharam registro em extensa compilação de verbetes no recém-lançado livro "Encircopédia - Dicionário Crítico Ilustrado do Circo no Brasil" (Mútua Comunicação, 420 págs.).

A publicação busca traçar um histórico do circo no país, detalhar aspectos artísticos e técnicos de números e personagens típicos do picadeiro, além de expor as condições atuais de trabalho dos circenses, marcada pela busca de políticas públicas e legislação que fomentem sua atuação. "A gente tentou dar um panorama da história do circo no mundo e no Brasil e a história das famílias circenses, da luta, mas tudo separado em verbetes para facilitar o estudo. Um dos principais objetivos é justamente registrar essa história, é uma função de resgate e de registro. Está começando no Brasil esse tipo de publicação", explica a autora Sula Mavrudis, diretora da área de circo do Sindicato dos Artistas de Minas Gerais, que coletou grande parte do material diretamente em circos mineiros e ao longo de sua trajetória de envolvimento com associações de circo.

Grande parte do livro é dedicada à biografia de cerca de cem famílias circenses, algumas das principais no país, uma parcela delas de origem cigana. "A noção de família no circo é muito grande, no sentido, por exemplo, de que o pai é também professor. A confiança no outro é muito grande, todo mundo trabalha junto o tempo todo", diz Sula. A "Encircopédia" também lista cerca de 600 circos que em algum momento estiveram em atividade no Brasil, numa história cujo início remonta aos tempos do império. "Com a vinda do Dom João pra cá, vieram também muitas companhias de teatro e artistas. Quando chegaram os circos de lona, já existiam muitas companhias mambembes", diz.

Estrela
O palhaço, grande estrela do circo no país de acordo com Sula, também ganhou destaque na obra. Em cerca de 30 páginas, são lembrados palhaços que ficaram famosos no país, como Benjamim de Oliveira, Arrelia, Piolin e Carequinha, e artistas que a autora chamou de "palhaços sem cara pintada", a exemplo de Grande Otelo, Mazzaropi e os Trapalhões Didi, Dedé, Mussum e Zacarias. "O Dedé é um homem de circo e levou para o quarteto todas as reprises e comédias circenses. Eles se transformaram nos mais importantes e famosos palhaços da TV e do cinema. Existe palhaço sem maquiagem também", reforça a autora, completando que o palhaço brasileiro guarda suas particularidades. "Na Europa, os circos eram muito grandes, então a mímica era muito mais utilizada. Aqui no Brasil, com circos menores, houve mais proximidade com o público e o palhaço teve mais possibilidade de falar. Tem a modalidade do palhaço cantor também, que é muito brasileira. Ele, aqui, desenvolve uma regionalidade também. Nossa cultura é muito diversificada e o palhaço carrega isso".

*Matéria publicada na edição de 3/12/2011 do Jornal Pampulha

5 de dez de 2011

O ano do palhaço*

E o palhaço, o que é? Deixou de ser ladrão de mulher, pelo menos este ano, para se tornar um campeão de bilheteria e uma figura recorrente fora dos picadeiros. Na esteira do filme "O Palhaço", que já atraiu mais de 1 milhão de espectadores aos cinemas, 2011 viu uma profusão de palhaços na TV e destaque para o personagem em eventos.

O longa dirigido e estrelado por Selton Mellon liderou as bilheterias brasileiras em seu fim de semana de estreia, no final de outubro, e precisou apenas de 15 dias em cartaz para atingir a marca de um milhão de espectadores, tendo sido o sexto filme brasileiro a atingir a marca este ano. "O palhaço é uma figura importante na vida. Ele representa o mundo que todos nós gostamos, é o mundo do lúdico, da felicidade. Quando a gente ouve falar ‘o palhaço’, o título não é outra coisa a não ser o palhaço. Já nos remete ao mundo que a gente gostaria de estar", diz Rodrigo Robleño, o palhaço Viralata, buscando explicar o sucesso de público do filme, que também foi bem acolhido pela crítica.

Eterno
Fora da sétima arte, o palhaço também deu as caras numa tela menor. Na novela "Araguaia", exibida na faixa das 18h pela Rede Globo até abril deste ano, entre os personagens estavam os palhaços Pimpinela, vivido pelo ator Nando Cunha, e Estripulia, interpretado pelo alagoano Teófanes Silveira, que na vida real também faz rir na pele de Biribinha, considerado patrimônio vivo de seu Estado. No SBT, foi a vez de a dupla Patati Patatá, no ar desde maio, virar fenômeno em meio ao público infantil depois do vácuo deixado pela geração de apresentadoras loiras. "A linguagem do palhaço é muito popular, muito próxima da gente e traz essa questão nostálgica do circo", sugere a coordenadora do Festival Mundial de Circo, Fernanda Vidigal. Este ano, o evento, que tem sede em BH, dedicou uma parcela da programação exclusivamente ao astro do picadeiro. "No Brasil, nós temos bons palhaços. Não tem como um festival que quer espelhar a produção brasileira não ter espaço só pra isso, já que é o que mais se produz no país", justifica, argumentando também que existe hoje uma valorização do personagem. A atriz do Grupo Galpão Teuda Bara, que está no elenco de "O Palhaço", reforça a opinião a partir da experiência que teve nos quatro anos em que integrou o Cirque du Soleil. "Lá, o palhaço é o que tem maior cachê. Fazer rir não é tão fácil, o cara tem que saber conversar com o público, tem que segurar", diz Teuda, que considera a figura do palhaço "eterna".

Eterna e também onipresente, visto que transita entre o circo, os meios audiovisuais e a arte de rua. "O palhaço está em vários lugares porque é um personagem que provoca o espanto, ele é diferente. Ele está no hospital, na televisão, em evento empresarial, no asilo, na creche", afirma Paulo Sérgio Pires, o palhaço Popó, que também já ocupou seu espaço na TV quando esteve à frente do programa TVX, da TV Horizonte, sucedendo Viralata na atração.

Para Diogo Dias, integrante da Cia Circunstância e do Coletivo de Palhaços, que reúne artistas do gênero em Minas, o personagem também pode estar em cada um de nós. "O palhaço pode estar sentado numa mesa de bar, numa roda de família. Onde tem mais de uma pessoa querendo brincar com a vida cotidiana é possível que tenha palhaço porque sempre buscamos a felicidade e temos que provocá-la de alguma forma. O palhaço não tem lugar certo. Ele está no lugar errado, é meio inconveniente".

*Matéria publicada na edição de 3/12/2011 do Jornal Pampulha

1 de dez de 2011

Prévia de "Recanto"

A Rádio UOL disponibilizou cinco faixas do novo CD da Gal, "Recanto", inteiramente composto por Caetano. Prepare-se para uma atmosfera introspectiva construída com batidas eletrônicas. O disco será lançado na próxima terça-feira (6).

Ouça aqui.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails